Oséias nasceu em 20 de abril de 1979, em um pequeno município de Santa Catarina, Imaruí, a cem quilômetros ao sul de Florianópolis. É filho de um grande músico dessa mesma cidade, o conhecido seu “Darinho”, o qual participou de algumas bandas e formou a dupla sertaneja “Alma do Rincão”, que gravou dois LP’s em sua história, além de tocar em bailes, circos e diversos eventos por muitos anos em toda a região de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
 

Muito incentivado e apoiado pelo pai, em 1990, aos onze anos de idade, Oséias entrou na Banda Municipal Unidos de Imaruí, onde aprendeu teoria musical e clarineta, participando de apresentações periódicas, Festivais e Concursos por toda a região do Sul do Brasil, chegando a participar também em São Paulo.
 

Em 1994, a convite de um amigo, aceitou o desafio de estudar em um seminário para padres, em Siderópolis-SC, onde sua ajuda seria bem vinda para ensinar aprendizes músicos na Banda de Música do Colégio Dom Orione. Como haviam vários aprendizes de Clarineta, tocou Saxofone-Alto nessa banda durante todo o ano.
 

Em 1995, retornando a Imaruí, voltou a participar da Banda de Música do município. Já com dezesseis anos, alguns amigos de infância, em um papo informal, tiveram a ideia brilhante de montarem uma banda para se “divertirem” nos fins de semana. Paulo gostava de cantar, então assumiu o vocal, Carlos Antônio tocava violão e assumiria a guitarra, Vladimir faria o baixo e Patrik tocaria bateria. Vendo que a banda estava toda formada, Oséias ficou quieto, como de costume. E foi quando os amigos olharam e disseram: precisaremos de um teclado, e o teu pai toca acordeon. Uma referência meio sem nexo, mas foi assim que Oséias despertou para esse instrumento que o acompanha hoje.
 

De 1995 a 1998, a banda “Nóis” ensaiava sem muito compromisso, coisa de fim de semana entre amigos. Não era uma banda de garagem, pois ensaiavam em uma torre, isso mesmo, uma torre com três andares, com escada em espiral, de propriedade da avó do vocalista, a simpática Vó Vina, uma das maiores incentivadoras da banda. A torre foi construída pelo seu falecido marido, com o intuito de admirar as estrelas através de um telescópio.
 

Com hit´s do Skank, Cidade Negra, Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, entre outros, além do badalado grupo Mamonas Assassinas, a banda começou a chamar a atenção da vizinhança e, através de incentivo dos amigos, a “Banda Nóis” começou a levar os ensaios a sério, e alguns compromissos foram agendados. Mesmo com todas as dificuldades para conseguir músicas, pois não existia internet, alguns livretos com músicas já cifradas adiantavam os estudos. Mas na maioria das vezes, o jeito era colocar o LP ou fita cassete para tocar e escrever a música a caneta, cifrando depois na base do ouvido.
 

A banda não tinha contrabaixo, era feito em um violão nos ensaios, mas com possíveis apresentações num futuro próximo, a banda precisava providenciar o instrumento, e foi encontrado em Imbituba, cidade vizinha, pois em Imaruí não havia esse instrumento. Em todo ensaio ou apresentação, se fazia a viagem Imaruí-Imbituba-Imaruí, de Fusca, para buscar e devolver o contrabaixo.
 

Mesmo com todas as dificuldades, a Banda Nóis fez sua primeira apresentação em 24 de dezembro de 1995. Muito bem recebida pelo público, essa apresentação incentivou os integrantes a investirem na banda, e cada um lutou para conseguir melhorar seu equipamento. Assim, a banda tocou em alguns bares, eventos e festas em Imaruí, além de tocar nas cidades de Florianópolis, Urussanga, e Tubarão, onde abriu um grande show nacional na famosa PRODUSUL. Nesse período, empolgado pela banda, Oséias estudou piano no ano de 1996, no conservatório de música de Laguna-SC.
 

Durante o segundo semestre de 1997, atingindo a maioridade, Oséias foi aprovado em um concurso para a Força Aérea Brasileira, depois de provas teóricas e práticas, exames de saúde e testes físicos.
 

No ano de 1998, alguns integrantes da banda foram morar em outras cidades em busca de trabalho, impossibilitando assim, a continuidade da Banda.
 

Em março de 1998 Oséias inicia seu curso na Base Aérea de Florianópolis. Tendo muitos amigos músicos na cidade, ficaria mais fácil montar uma banda com músicos da região. Muitas tentativas, com ensaios em estúdios, mantiveram um estímulo para que o teclado não fosse esquecido. Mas foi uma época difícil para ensaios nos teclados, pois além de muitos serviços de guarda na Base Aérea, sua aprovação no concurso tinha um prazo de seis anos, e isso também o preocupava.
 

Uma ironia do destino fez com que não fosse autorizada a sua integração na Banda de Música da Base Aérea. Nos dias de folga, sem que sua chefia soubesse, Oséias vinha para a Banda de Música a fim de manter uma regularidade de ensaios na clarineta, pois para se manter na Aeronáutica, precisaria fazer um outro concurso, esse a nível nacional, onde seria efetivado na Força. Então, no segundo semestre de 1999, após provas teóricas de Língua Portuguesa, teoria musical, provas práticas na clarineta, exames médicos, testes psicotécnicos e físicos, Oséias é aprovado no concurso que lhe daria estabilidade profissional na carreira militar. Em junho de 2000 foi para Guaratinguetá-SP, para a Escola de Especialistas de Aeronáutica, onde fez o curso de Adaptação a Graduação de Sargentos, na especialidade de Música, no instrumento Clarineta. Aprovado nesse curso, agora um músico de carreira, outra ironia do destino lhe distanciou dos teclados. Sua vaga foi para servir na Banda de Música da Base Aérea de Brasília-DF, sem data de retorno...
 

Em 2001, já em Brasília-DF, retornou seus estudos nos teclados, tocando em um quinteto e escrevendo arranjos, “aventura” que serviu como uma grande bagagem em sua vida.
 

Santa Catarina só voltaria a ser o seu lar em 2004, depois de muita luta para voltar a Base Aérea de Florianópolis. Reencontrando o grupo de amigos foi convidado a montar uma banda para relembrar os velhos tempos, mas investindo em bandas mais clássicas, como Led Zeppelin, Pink Floyd, U2, Queen, entre outras. Foi um curto período de ensaios, e acabou não evoluindo.

Alguns anos se passaram e muitas coisas aconteceram... Mas a Velho Jeans foi idealizada, e ainda sem teclado, começava seus ensaios. Através da internet, encontrou Richard, que se tornou o primeiro baterista da banda. Com um repertório dos anos oitenta, época em que o teclado foi muito explorado por ser uma novidade, um tecladista estava sendo necessário, e a banda começou a buscar algum músico para suprir essa necessidade. Depois de alguns testes, e por indicação de Richard, Oséias foi convidado para fazer um teste na banda, e após algumas idas e vindas, em abril de 2012 o projeto foi abraçado com unhas e dentes, e desde então, Oséias assumiu os teclados definitivamente.

Oséias
Oséias

Rock no casarão com a Velho Jeans

Oséias
Oséias

Rock no casarão com a Velho Jeans

Teclados/Clarinete/Sax

Oséias

  • Wix Facebook page